Ecossistema Digital – 3 pontos chaves para atuação

Ecossistema Digital – Mapeamos os 3 pontos mais importantes para sua atuação - o mercado Digital no Brasil e no mundo tem uma característica básica e intrínseca: dinamismo. Independente dos diversos artigos e capital intelectual disponíveis sobre o assunto (alguns excelentes), a eValley criou um Ecossistema Digital Dinâmico. Ou seja, a “planta”, Blueprint ou a base de 3 premissas sobre a qual o mundo Digital está sendo construído.

E assim como o mercado Digital, nosso Diagrama é Dinâmico, para sempre refletir a dinâmica atual e os relacionamentos do mercado. Saiba trabalhar impacto atual e futuro destes 3 pilares no seu negócio. Portanto, após ler este resumo, pense e mapeie seu entorno competitivo.

1. CONECTIVIDADE

Qualquer ecossistema possui uma infra-estrutura, onde entendemos como ecossistema um conjunto de atores interagindo. É o elemento sobre a qual se permite esta interação.

Por exemplo, o mercado de commodities possui sua infra-estrutura: conexões internacionais para comunicação e troca de dados; armazéns; centros de distribuição, portos, navios, trens, caminhões etc. Esta infra-estrutura permite a compra e venda mundial de commodities, ou seja, a interação entre os diversos atores do ecossistema commodity: estratégias de atuação mundial das trading companies, modelos de atuação de produtores rurais e mineradoras, portfólio de oferta logístico etc.

No ecossistema Digital, a infra-estrutura atual é tecnologia para “Comunicação X–>1”:
i. Comunicação: cabos submarinos, os satélites, as redes de fibra óptica, as redes de cobre, as estações rádio base de telefonia móvel etc que permitem a troca de dados e informações
ii. X–>1: M2M, plataformas, hardwares, softwares etc que permitem a convergência de dados e informações

2. MOBILIDADE

O ecossistema Digital atual tem a liberdade de escolha e forma de uso dos produtos e serviços digitais como uma de suas premissas básicas. Ou seja, “wirleless” para não haver barreira física que possa influencia na sua liberdade de escolha. E “smart” para não haver barreira operacional que possa influenciar na sua forma de uso.
i. Liberdade de Escolha: o cliente Digital, consumidor ou empresa, tem fidelidade a uma só marca: ele mesmo. Ou seja, tem uma oferta muito grande de produtos e serviços, com novas empresas surgindo a todo instante. Ele não tem mais barreiras de saída para trocar de uma marca para outra. De um prestador de serviços para outro. Dá trabalho? Sim, mas por exemplo hoje portamos nosso número de telefonia móvel de uma operadora para outra em questão de horas e também trocamos de sistema operacional em nossos telefones móveis (IOS, Android, Windows) em questão de horas. As empresas já estão adotando há alguns anos estratégias e práticas para fidelizarem seus clientes, transformando-os em fãs. Dentre inúmeras ações, está a disponibilização de opções de escolha de produtos e serviços mas dentro da “minha marca”. Isto cria um novo jeito para as empresas se relacionarem

ii. Formas de uso: o cliente Digital, consumidor ou empresa, hoje seleciona como, onde e quando vai utilizar seus produtos e serviços digitais. Por isso o crescimento mundial e brasileiro expressivo, de dois dígitos ao ano, na produção e comercialização de smartphones e demais dispositivos móveis há 10 anos. O consumidor quer ter a liberdade de acessar seus produtos e serviços digitais na hora e local que ele quiser. Seja às 2 da manhã no seu smartphone de sua casa ou seja às 2 da tarde de seu tablet de um parque. A empresa por sua vez, por exemplo, quer ter a liberdade de acessar um painel de indicadores operacionais dos computadores de sua Intranet, dos smartphones de seus principais executivos e dos tablets dos gerentes operacionais. Escolhe inclusive o nível e grau de acesso à informação que seus colaboradores podem ou não ter permissão.

3. EU

Personalização e customização. Feito massivamente mas que permita que EU, consumidor e empresa, deixe do “meu jeito”.
Por exemplo, o aparelho de telefonia móvel é massivo, com algumas opções de marcas, cores e modelos. Mas é possível personalizar com milhares de acessórios, aplicativos etc. Lucra-se mais com os acessórios e aplicativos do que com o aparelho. Não existem 02 iPhones iguais no mundo do mesmo jeito que não existem 02 LGs ou 02 Blogs etc.
Na Era Digital, o poder está nas mãos do consumidor. E ele não vai abrir mão disso.

4. EM RESUMO

O Ecossistema Digital, na Era Contemporânea, é dinâmico. Como a própria definição da palavra ecossistema nos remete: relacionamento entre atores dentro de um mesmo ambiente entre si e com o próprio ambiente. E como se trata de relacionamento entre agentes que mudam e evoluem, o resultado desta interação é um ambiente dinâmico que muda e evolui.

Não basta estar consciente de 01 pilar, é preciso monitorar ativamente os 03 pilares e o relacionamento entre eles. É possível atuar em 01 pilar, mas nunca esquecer do todo. Crie apenas 01 indicador que ajude você a monitorar seu ambiente externo (temos certeza de que você já tem milhares de opções de indicadores internos). Desta forma, não esquecerá de estar atento a tudo que possa impactar seu negócio. Pensou? Mapeou? Não tem professor te olhando, portanto faça do seu jeito: em um papel de pão, no tablet, no evernotes não importa, meça o impacto no seu negócio. Monitore e esteja atento: o ambiente externo influencia seu ambiente interno.